sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Restauração

Ele não tinha mais do que reclamar

As coisas não eram mais as mesmas
Naquele tempo, a rua era outra
Era estreita, de barro
Hoje, larga e asfaltada
Seus horários eram outros, o ritmo era outro
Tudo se encaixa, havia tempo para tudo.

As coisas não eram mais as mesmas
O cabelo era outro
O cheiro era outro
A voz era outra
Tudo foi mudado
Restaurado
Tudo agora cheirava a novo

As coisas não poderiam ser mais as mesmas
Pois, naquele tempo, tudo o sufocava
Tudo era a mil
Tudo era fácil
Mas tudo era fardo
E cada vez mais

As coisas eram, agora, outras
A rua larga e asfaltada
A rotina enfadonha e leve
A vida livre, em cores mornas
O presente tão ali ao lado

Mas lá estava ela
Em cada esquina da vida
Em marcas indeléveis
E em tudo aquilo que apontava para o futuro



Nenhum comentário:

Postar um comentário